Ayom

Reader

Read the latest posts from Ayom.

from Felipe Siles

Acredite, muita gente ainda ouve rádio, muita gente mesmo. E, para quem gosta da mídia, é possível que já tenha se deparado com a situação de visitar alguns sites de webrádios, aí se incomodar com a arquitetura do site, os anúncios, a parafernalha, sendo que você só queria ouvir rádio. Ou simplesmente não consegue desenvolver o hábito de visitar um site para ouvir uma rádio. Você vai na Play Store (ou Apple Store) e procura algum aplicativo de web rádios, mas o aplicativo não tem a rádio que você quer ouvir, principalmente se ela é mais alternativa. Não sei quanta gente já passou pelo mesmo problema, mas eu sempre desconfiei que havia uma forma de seguir rádios parecida com seguir RSS de notícias ou podcasts. E tem sim!

Uma webradio é mais ou menos uma playlist que fica rodando em um site na internet (na verdade, é um pouco mais complexo que isso rs, mas só pra ficar mais prático o entendimento). Se você consegue o link dessa “playlist”, pimba! Basta rodá-la em um programa ou aplicativo de sua preferência que tenha essa função. Então vamos primeiro aprender como encontramos o link para ouvir a webradio. Após algumas interações pelo Mastodon, Elmo Neto trouxe um passo-a-passo bem interessante para isso. Nas palavras dele:

  • Abra a página da rádio;
  • Abra as ferramentas de desenvolvedor do navegador (pode usar o atalho ctrl+shift+i) e clique na aba “Rede”;
  • Limpe todas as requisições clicando na lixeira;
  • Clique em Play e espere a requisição pra transmissão;
  • Copie a URL e cole no seu player preferido (como o VLC).

Agora segue a lista dos meus programas e aplicativos preferidos para rodar as URLs das webrádios:

Por último, seguem algumas sugestões de rádios (com seus devidos links) que eu gosto e acompanho:

Rádio Aconchego https://orelha.radiolivre.org/aconchego

Rádio USP https://flow.emm.usp.br:8008/radiousp-rp-128.mp3

Rádio Yandê https://cloud.cdnseguro.com:2611/stream

Rádio Unicamp https://radio.sec.unicamp.br/aovivo

Rádio ABET https://s19.maxcast.com.br:8415/live?id=1192757142750

Rádio Antena Zero https://www.radios.com.br/play/playlist/27099/listen-radio.m3u

Rádio Comunitária Cantareira https://5a2b083e9f360.streamlock.net/sc_canta/sc_canta.stream/playlist.m3u8

Rádio Noroeste (Campinas-SP) http://svrstream3.svreua.com:8322/stream?1718737404193

Universidade FM (UFMA) https://s26.maxcast.com.br:8280/live?id=1718833388070

Educadora FM (Bahia) https://www.radios.com.br/play/playlist/12911/listen-radio.m3u

Rádio Universitária (UFPE) https://www.radios.com.br/play/playlist/14984/listen-radio.m3u

Gostaria também de agradecer e dedicar esse texto ao Saci da Rádio Aconchego que foi a pessoa que resgatou em mim o amor pelo rádio, obrigado meu amigo!!!

 
Leia mais...

from Ideias de Chirico

Imagem de uma folha em branco com uma lapiseira ao lado sobre uma mesa de madeira.

Após apresentar “O Pequeno Príncipe” de Saint-Exupéry à turma de 7° série, o professor de redação pediu-lhes para que apresentassem uma síntese do livro. O único comando que ele dispôs no quadro negro foi “Escrevam apenas o essencial da história”.

Enquanto toda a sala rascunhava rapidamente sobre seus papéis, o pior aluno entregou uma folha em branco. O professor, contrariado, indagou do que se tratava aquilo. E o aluno timidamente respondeu:

― Professor, é que eu aprendi com o Pequeno Príncipe que

O essencial é invisível aos olhos.

Este aluno recebeu a melhor nota da turma.

#cotidiano


 
Read more...

from Felipe Siles

Fala pessoal! Na data que escrevo (14 de junho de 2024) estou com 34 horas de tela de celular nos últimos 31 dias, mas se considerar apenas os últimos 11 dias, tenho 11 horas, ou seja, nos últimos 11 dias dá pra dizer que tenho média cravada de 1 hora por dia de tela de celular. Pode parecer bobagem, mas morando em um país onde as pessoas passam EM MÉDIA (significa que tem gente que passa mais) 9 horas por dia no celular ou em outros eletrônicos, acho que o feito é bem considerável, não só pelo aspecto da saúde mental e bem estar, mas acaba gerando um certo deslocamento cultural (que resolvi bancar), já que não estou com o nariz enfiado no celular o tempo inteiro, como a maioria das pessoas ao meu redor.

Vou colocar de maneira prática e objetiva algumas estratégias combinadas que adotei para alcançar essa média, caso interesse alguém:

  • Não tenho perfil nas redes sociais comerciais famosas (Instagram, Facebook, Xwitter e TikTok);
  • Tenho perfis em algumas rede sociais do Fediverso (Mastodon e Lemmy), mas só as acesso via computador, no celular não tenho aplicativos dessas redes;
  • Deletei aplicativos que me faziam ficar perdendo um tempo no celular, como aplicativos de esportes (como o Sofascore) e jogos (como o Lichess);
  • Para evitar ficar navegando por sites na internet, uso o Firefox Focus como único navegador no celular. Ele não salva senhas, nem histórico, funciona sempre como se fosse uma aba anônima, o que ao meu ver limita bastante o uso prolongado;
  • Deletei muitos aplicativos do meu celular, deixei aquilo que considero muito essencial (dentro do meu uso, óbvio), como aplicativos de mapas, transporte, bancos, e afins;
  • Tenho apenas três mensageiros no meu celular: whatsapp, telegram e o SMS. E só os mantenho instalados porque tem muita gente que me liga usando esses aplicativos. A checagem e respostas das mensagens eu faço uma ou duas vezes por dia no computador mesmo, utilizando clientes web (utilizo o Ferdium, que agrega todos esses mensageiros num ambiente só);
  • Utilizo o aplicativo Screen Time (da F-Droid) para monitorar meu tempo de tela, e criei essa meta de 1 hora por dia;
  • Pelo menos uma dia na semana eu tento ficar o maior tempo possível offline, sem nem encostar no celular, costumam ser aos domingos (quando não tenho trabalho/freela nesse dia);
  • Comecei a levar o meu e-reader (popularmente conhecido como Kindle) pra todo lugar que eu vou, e quando bate aquele tédio ao esperar um ônibus ou um atendimento no banco, eu leio um livro ao invés de mexer no celular;
  • Aqui tem uma pequena roubadinha: o maior tempo de uso do meu celular é ouvindo coisas: webrádios, rádio FM, podcasts, música, etc, ou seja, não contam como tempo de tela. Inclusive eu queria muito ter um aparelho só pra isso, que não fosse celular. Vi que já lançaram uma espécie de walkman Android, mas por enquanto é meio caro para o meu bolso;
  • Participações em videochamadas: COMPUTADOR SEMPRE! Além de tempo de tela no celular, ainda come uma bateria da porra;
  • Desligo TODAS as notificações do celular;
  • Prática diária do Bullet Journal tem me deixado um pouco mais analógico, pelo menos pra gerenciamento das tarefas;
  • Mantenho hobbies que não dependem de tela, como passear com cachorro, visitar banca de jornal e montar cubo mágico;
  • Uso relógio de pulso para não precisar recorrer ao celular para ver as horas.

A parte que eu mais amo de priorizar fazer as coisas no computador, é que é muito fácil delimitar um fim para sua relação com a internet e a tecnologia no dia. Basta desligar o aparelho. Diferente do celular, que já nem temos mais coragem de desligar (eu programei um desligamento automático do espertofone diário, na hora de dormir, religando na hora de acordar).

 
Leia mais...

from Ideias de Chirico

Imagem de uma feira de frutas no interior do Brasil.

“Olha a informação! Informação fresquinha!”

Gosto de pensar a internet como essa grande feira de sites. Nas feiras, se você quer um produto, haverá alguém que conhece um alguém que conhece um alguém que tem o que você quer. São como aqueles galos do João Cabral de Melo Neto. Visita-se um site, e este o direciona para outro, que aponta para outro etc. Essa é a graça inclusive de ter um blogue: participar ativamente dessa rede, seja reconectando-a, seja contribuindo com ela.

Outro dia compartilhei o Internet Artifact, que me chamou a atenção por conta de sua arqueologia internáutica. Agora compartilho outros endereços curiosos envolvendo descoberta e publicação de artes, que já publiquei via #SurfandoWeb pelo meu perfil Akkoma ― que tem sido um grande laboratório para as publicações destas Ideias de Chirico.

Todo som ao mesmo tempo e em todo lugar

Não sabe que música ouvir numa noite aleatória ou quer conhecer novos gêneros musicais dos mais diversos cantos do mundo? Conheça Every Noise At Once.

Ao carregar a página, verá uma nuvem quase infinita de gêneros musicais correlatos por nacionalidade ou por ritmo. Ao tocar em um deles, a página executará um exemplar de mais ou menos 10 segundos de cada gênero. Dica de ouro: dê um Ctrl + F e escreva um gênero ou nacionalidade pelo qual você se interessa, e daí poderá conhecer outros similares.

Every Noise At Once lembrou-me a proposta de Radiooooo que executa sucessos radiofônicos da década e do país da escolha do visitante. No entanto, ao tempo que Radiooooo compartilha sucessos de todas as épocas, Every Noise At Once concentra-se na cena underground contemporânea.

O que pode 10kb?

A Galeria 10kb é um compêndio de imagens com tantos bites quanto este texto que vocês leem ― ou até mesmo mais leve. Visitá-la me faz pensar nas reais necessidades de espaço de disco para a comunicação digital.

Por que afinal queremos tudo em HD 4K? Às vezes 10kb já dá conta do recado! Afinal, é preciso que também nos acostumemos com pouco. Em um mundo ávido por informação em alta-definição, não podemos perder a sensibilidade das coisas em baixa-definição ― mais próximas das tecnologias analógicas e da vida mesmo.

Além de tudo, é interessante ver respostas criativas ao desafio de se criar uma imagem tão leve quanto um arquivo de texto. Como escreve Mike Grindle comentando sobre o porquê de se fazer um site compatível ao espaço de um disquete,

Ao meu ver, nada inspira mais criatividade do que limitações. Isso não só lhe deixa pensando “fora da caixa”, mas também lhe estabelece limites nos quais trabalhar.

Essa, inclusive, também é a graça de escrever sob padrões ou limitações precisas, como os velhos 140 caracteres de um tuíte ou como o verso dodecassílabo de um soneto... A ideia de densificar o pensamento e escrever coisas complexas em um espaço limitado é de uma sedução irresistível!

Infelizmente a Galeria está há um bom tempo sem atualizações, porque o organizador está concentrado em outros projetos. Mas já temos um bom arsenal.

Conheço também outros endereços análogos a ela, como o 1MB Club, que ranqueia sites que, de fato, caberiam em um disquete.

Estériques

Ficou curioso a respeito de uma estética específica de um período? Quer entender melhor de um dado zeitgeist? Quer se inspirar para projetar à la um certo “ismo”? Indico o Consumer Aesthetics Research Institute (CARI).

O CARI é como um Radiooooo visual. Ao entrar na sua página inicial, você terá várias abas de filtros para curadoria, como período, palavras-chaves ou ordem alfabética.

Claro, como o próprio nome diz, ele é voltado à estética do consumo, não à estética artística, que se preocupa com o puro prazer... estético. No entanto, esta é muito influenciado por aquela, e até a inspira! Vide o pop-art ou, um pouco atrás, o art-nouveau.

#cultura


 
Read more...

from Ideias de Chirico

Imagem de Mário de Andrade, um homem pardo e calvo usando óculos de grau redondos e terno. Sua face está sendo iluminada por uma luz que vem debaixo.

Mário de Andrade

é um desafiador da servil e adocicada e grandiloquente cultura oficial, um criador de palavras que morrem de inveja da música, e que são, contudo, capazes de ver e dizer ao Brasil e também capazes de o mastigar, por ser o Brasil um sabaroso amendoim quente.

De férias, pelo puro gosto de se divertir, Mário de Andrade transcreve ditos e feitos de Macunaíma, herói sem nenhum caráter, tal como os escutou do dourado bico de um papagaio. Segundo o papagaio, Macunaíma, negro feio, nasceu no fundo da selva. Até os seis anos, por preguiça, não pronunciou uma palavra, dedicado como estava a decapitar formigas, a cuspir na cara de seus irmãos e a meter a mão nas graças de suas cunhadas. As cômicas aventuras de Macunaíma atravessam todos os tempos e todos os espaços do Brasil, em uma grande gozação que não deixa santo por desvestir, nem fantoche com cabeça.

Macunaíma é mais real do que seu autor. Como todo brasileiro de carne e osso, Mário de Andrade é um delírio da imaginação.


1927, Araraquara

Imagem de Mário de Andrade, um homem pardo e calvo usando óculos de grau redondos e roupão. Mário fuma e tem diante de si um amontoado de papéis.

Mário de Andrade

es un desafiador de la servil y dulzona y grandilocuente cultura oficial, un creador de palabras que se mueren de envidia de la música y que son sin embargo capaces de ver y decir al Brasil y también capaces de masticarlo, por ser el Brasil un sabroso maní caliente.

En vacaciones, por el puro gusto de divertirse, Mário de Andrade transcribe dichos e hechos de Macunaíma, héroe sin ningún carácter, tal como los escuchó del dorado pico de un papagayo. Según el papagayo, Macunaíma, negro feo, nació en el fondo de la selva. Hasta los seis años no pronunció una palabra, por pereza, dedicado como estaba a decapitar hormigas, a escupir a la cara de sus hermanos y a meter mano a las gracias de sus cuñadas. Las desopilantes aventuras de Macunaíma atraviesan todos los tiempos y todos los espacios del Brasil, en una gran tomadura de pelo que no deja santo por desvestir ni títere con cabeza.

Macunaíma es más real que su autor. Como todo brasileño de carne y hueso, Mário de Andrade es un delirio de la imaginación.


In: “Memoria del fuego III. El siglo del viento” (1986), de Eduardo Galeano. Tradução de Arlon de Serra Grande.

#cultura #tradução


 
Read more...

from Felipe Siles

Salve galera! Faz alguns meses que não escrevo neste espaço, pois de um tempo pra cá venho sentindo maior necessidade de ler do que escrever. Então abro uma pequena exceção pra falar um pouco como tem sido essa retomada a um forte hábito de leitura.

Digital x Analógico: eu fico com os dois

Prefiro ler o papel, mas venho cada vez mais diminuindo o uso do celular no meu dia-a-dia e, nesse sentido, o Kindle tem me ajudado muito. Ando com ele na minha pochete, junto com os três Cs (carteira, chave e celular), e quando bate aquele tédio de esperar um ônibus ou minha vez no banco, recorro ao e-reader ao invés do espertofone.

Quando estou em casa, tenho priorizado os livros de papel. Organizei uma lista de desejos, aí vou registrando livros que preciso comprar, a maioria deles para a minha pesquisa de doutorado. Aí no começo de cada mês compro um desses livros, assim que cai a minha bolsa. É uma forma de investir na minha biblioteca ao longo do doutorado e frear o impulso de sair comprando muitos livros que provavelmente não vou ler. Tenho também reservado dois horários do dia para leitura, um de manhã para leituras do doutorado e um mais no final da tarde e começo da noite dedicadas à leitura apenas pelo prazer.

Outra coisa que tem sido legal é que voltei a frequentar a banca de jornal. Moro em uma cidade pequena, e aqui há apenas uma banca. Como ela fica em frente ao principal supermercado da cidade, tenho aproveitado quando vou às compras pra dar uma passadinha na banca antes. Já fui assinante de revistas, chega uma hora que eu não dava mais conta de lê-las, então eu tenho preferido fuçar a banca, ver se tem alguma revista ou HQ com algum tema que me interesse e compro, sem o compromisso de ter que comprar as edições seguintes.

Alguns programas/aplicativos que eu tenho utilizado pra ajudar no hábito de leitura

Quando se trata do digital, eu não gosto muito de ler nem no computador e muito menos no celular. Meus dois dispositivos preferidos para leitura no digital são o iPad e o Kindle.

Tenho utilizado o Kindle deslogado da Amazon, sempre no modo avião, e passo meus livros para ele via cabo mesmo, usando o Calibre no computador. Tem sido muito legal utilizá-lo dessa forma, praticamente ressignifiquei minha relação com esse dispositivo, que vinha usando muito pouco.

Já para o iPad, tenho utilizado principalmente dois aplicativos: Omnivore para ler textos, links salvos e feeds RSS; e Zotero para ler os textos acadêmicos/científicos. Tenho extensões se sincronizam com esses dois aplicativos no navegador do meu computador (Firefox) e conforme aparece um texto que me interessa, já salvo via extensão. Tenho procurado ser parcimonioso para não me sobrecarregar de leituras, volta e meia acabo apagando textos que eu salvei pra ler depois, quando entendo que esse “depois” não vai chegar. Textos e links que preciso ter salvos de maneira um pouco mais permanente, para consultas futuras, eu prefiro salvar num bloco de notas simples mesmo, num caderno dedicado pra isso, uso o Joplin. Tenho sido bastante econômico também nas feeds RSS que sigo, pelo mesmo motivo, não sobrecarregar a leitura.

Também gosto de registrar minhas leituras no Writefreely, uma rede social de livros conectada ao Fediverso. Utilizo a instância Velha Estante, e adoro de vez em quando olhar as leituras e listas dos colegas para ter novas ideias do que ler. Como a plataforma é conectada ao Fediverso, acabo utilizando o Mastodon para compartilhar o registro de leitura, para chegar em mais amigos, que podem gostar da recomendação.

Conclusão

Nunca abandonei totalmente o hábito de leitura, mas houve momentos onde ele esteve mais forte e em outros mais fraco. Sinto que é um momento onde está um pouco mais forte e tem sido muito bom, já que me sinto um pouco saturado de assistir mídias como vídeos, filmes e séries, pouca coisa nesse formato tem me interessado de verdade ultimamente. Também tenho feito um uso muito minimalista do celular, e o crescimento do hábito de leitura contribui nesse sentido. Desconfio que o hábito de escrever no Bullet Journal (o qual já escrevi a respeito neste blog) também favorece a necessidade de me tornar mais analógico e ler mais. Tenho percebido também que ler é um investimento em longo prazo para ser mais paciente, menos ansioso e aumentar minha capacidade de retenção da atenção. Não sinto necessidades de ter metas de leitura, eu acho que isso só geraria ansiedade e obrigação. Estou simplesmente lendo, a todo momento onde isso é possível. Se você gostou deste texto, dê uma chance aos livros, leia você também!

Se quiser acompanhar minhas leituras: https://velhaestante.com.br/user/felipesiles

 
Leia mais...

from Ideias de Chirico

Imagem: reprodução da entrada do Internet Artifacts.

Não tem jeito. Estou viciado em explorar sites. Desde que o blogue The Jolly Teapot publicou um linkroll contendo uma enormidade de endereços curiosinteressantes, estou fascinado pela ideia de interpretar sites como produtos artesanais. Como arte mesmo. As plataformas comerciais ― ou de entretenimento ― felizmente não detonaram de todo esse ramo da internet, e, de certa forma, até lhe deram um novo fôlego, como a Small Web (ou Indie Web) e o Fediverso mesmo.

Um desses endereços que The Jolly Teapot publicou é o Internet Artifacts ― não o confunda com o Internet Archive (eu confundi aqui durante a redação do texto). Trata-se de um pequeno museu de (digamos) “atos inaugurais” da internet: o primeiro emoticon utilizado, o primeiro meme, o primeiro blogue, o primeiro site de delivery etc. O arsenal é imenso, e vai de 1977 até 2007. Como há algumas reproduções de mídia, é necessário ativar Javascript. De qualquer modo, vale a visita. Para abrir o apetite de vocês, separei três das diversas curiosidades que há no endereço e os traduzi. Boa leitura.

O primeiro “:–)” (1983)

Reprodução de tela de um boletim acadêmico. Nela Scott Fahlman sugere o uso de uma carinha feliz e uma carinha triste para distinguir piadas e posts sérios na rede.

Imagem: reprodução do boletim da Universidade de Carnegie Mellon.

O primeiro uso registrado de um “:–)” na internet é de 1982, quando o cientista da computação Scott Fahlman propôs o uso de :–) e :–( para distinguir piadas e posts sérios na rede.

A proposta veio em resposta a um post no boletim da Universidade de Carnegie Mellon, em que um estudante brincou dizendo que havia mercúrio espirrado no elevador do departamento de física. Outros estudantes não sacaram a piada e pensaram que o espirro realmente aconteceu.

Os emojis foram aos poucos adotados na Carnegie Mellon e mais tarde por toda a internet.

Fogcam (1994)

Reprodução do site Fogcam com duas imagens, uma de uma rodovia e outra de cadeiras perto de uma piscina. O site é mostrado pelo antigo navegador Netscape.

Imagem: reprodução do site da Fogcam, que ainda está na ativa.

Criado por dois graduandos da Universidade Estadual de São Francisco, a Fogcam é celebrado como a webcam mais longeva. Originalmente posta como um experimento para compartilhar parte do cotidiano do campus, ela rapidamente se tornou um recurso amado nos primeiros anos da internet. A webcam tinha até uma sala de bate-papo na qual os usuários poderiam discutir o clima.

A webcam quase foi fechada em 2019, mas o público implorou por mantê-la ativa. Ela tem estado ao vivo por 30 anos.

Dancing Baby (1996)

Imagem animada de um modelo 3D de um bebê usando fraldas em um fundo preto, dançando chá-chá-chá

Imagem: reprodução do .gif do Dancing Baby.

Um dos maiores memes do início da internet, o Dancing Baby foi um resultado não intencional da demonstração de um plugin para 3D Studio Max, que poderia animar criaturas bípedes. Criada em 1996 a partir de plugin de animação com dança chá-chá-chá sobre um modelo 3D de um bebê, a animação resultante foi descartada por ser muito “perturbadora”.

A animação recebeu uma segunda vida quando foi recriada a partir dos mesmos arquivos e postada como .gif em um fórum CompuServe. Ela tomou seu rumo através de e-mails institucionais e teve uma explosão de popularidade depois de receber a música “Hooked on a Feeling” como fundo. Ela foi intermitentemente remixada, e até apareceu em uma alucinação na série Ally McBeal.

#tradução #tecnologia


 
Read more...

from Ideias de Chirico

Imagem de Buster Keaton

Buster Keaton

Faz rir o homem que nunca ri.

Como Chaplin, Buster Keaton é um mago de Hollywood. Ele também criou um herói do desamparo. O personagem de Keaton ― chapéu de palha, cara de pedra, corpo de gato ― não se parece nada a Carlito ― o Vagabundo ―, mas está metido na mesma guerra cômica contra policiais, bandidos e máquinas. Sempre impassível, gelado por fora, ardente por dentro, muito dignamente caminha pela parede ou pelo ar ou pelo fundo do mar.

Keaton não é tão popular como Chaplin. Seus filmes divertem, mas têm muito mistério e melancolia.

1919, Hollywood

Imagem de Buster Keaton

Buster Keaton

Hace reír el hombre que nunca ríe.

Como Chaplin, Buster Keaton es un mago de Hollywood. Él también ha creado un heróe del desamparo. El personaje de Keaton, sombrero de paja, cara de piedra, cuerpo de gato, no se parece en nada a Carlitos el Vagabundo, pero está metido en la misma guerra desopilante contra los policías, los matones y las máquinas. Siempre impasible, helado por fuera, ardiente por dentro, muy dignamente camina por la pared o por el aire o por el fondo del mar.

Keaton no es tan popular como Chaplin. Sus películas divierten, pero tienen demasiado misterio y melancolia.


In: “Memoria del fuego III. El siglo del viento” (1986), de Eduardo Galeano. Tradução de Arlon de Serra Grande.

#cultura #tradução


 
Read more...

from Lento, pero escrevo

Parentalidades em pedaços, LGBTs e capitalismo

Apesar de ampliar a abrangência da licença maternidade, o STF restirngiu a licença-maternidade a apenas uma das mães em casais lésbicos. Um dos argumentos? Austeridade sobre a previdência.

Colagem de família picotada com partes do corpo de varias fotos diferentes formando o corpo das pessoas em questão. Da esquerda pra direita, há uma filha, uma mãe, um pai e um filho

Colagem feita por Gee v Voucher para a primeira edição da Zine International Anthem (1977) da banda de anarcopunk inglesa, Crass. Uma família feita em pedaços

No dia 13 de Março de 2024, o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu que mães não gestantes tem direito à licença maternidade. Uma vitória grande para todas as LGBTs vivendo suas parentalidades em pedaços, que pode ter repercussão mesmo para casais de dois homens, garantindo alguma licença para famílias que não tem nenhuma.

Mas as LGBTs mais velhas tem razão quando não reivindicavam o reconhecimento como uma família nuclear monogâmica. Isso põe tetos reais nas nossas vidas: na mesma decisão, restringiram a licença maternidade a só uma das mães. A outra tem direito à licença paternidade, míseros 5 dias.

As duas consequências disso: de um lado, o Estado tratará uma das mães como um homem e a forçará a se distanciar de sua cria. De outro, lauda novamente que homens não devem cuidar de suas crias.

É a versão institucional de “quem é o homem ou a mulher da relação” em LGBTs.

A resposta deveria ser simples. É quem se identifica. E independente do gênero e do arranjo familiar, cuidar de uma criança recém nascida exige MUITO trabalho. Nada mais justo que quem cuide, seja em duas pessoas, três ou uma família inteira tenha licença remunerada digna pra isso.

Mas qual foi um dos argumentos para impedir que duas mulheres em união homoafetiva tivessem direito à licença maternidade? A austeridade: segundo argumento da Procuradoria Geral da República, acatado por boa parte dos Ministros, isso sobrecarregaria a previdência social. Mais especificamente “Não criar despesas de previdência social sem previsão de receitas”. O que é engraçado quando consideramos que o mesmo tribunal não considera que referendar e endurecer a criminalização da maconha, debatida também nas últimas semanas, aumenta gastos do Estado – afinal, vigiar e punir custa muito caro.

Isso nos dá pista dos termos da disputa pela legislação de licença paternidade que precisará ocorrer até agosto de 2025, prazo limite estabelecido pelo STF para que o Congresso decida sobre essa omissão. O que nos faz considerar a hipótese de que mesmo entre conservadores, no mímimo não há disposição para se opor a ela, pois sinaliza para o apoio a algum modelo de família tradicional e, em uma esfera pública cada vez mais atenta aos direitos e vozes das mulheres, dificilmente se oporão a ela de forma aberta. Será sempre uma morosidade e oposição de forma envergonhada ou entre iguais: “quais garantias haverão ao homem provedor?”, “Homem não amamenta, talvez não precise de 180 dias como a mulher” e , por fim, “isso irá sobrecarregar a previdência social”. Essa é a deixa perfeita para a seletividade patriarcal e capitalista funcionarem: o judiciário e o restante do Estado brasileiro pode até garantir o reconhecimento formal de famílias não heterossexuais. Mas garantir condições materiais pra isso?Jamais. O homem (pai) deve dividir igualmente o trabalho do cuidado igualmente de seus filhos. Mas garantir condições materiais pra isso? Talvez não, talvez uma licença mais curra seja melhor gerar superávit primário para o pagamento de juros.

Todavia, os conservadores e capitalistas não são todo poderosos, videntes, bastiões da estratégia. Eles erram e falham, não atoa, mexer com aposentadoria e direitos previdenciários, dos quais as licenças fazem parte, é altamente antipopular. Um sinal disso é que, segundo pesquisa do Data Folha publicada em 02 de Abril de 2024, a ampliação da licença maternidade e paternidade tem, respectivamente, apoio de 83% e 76% dos brasileiros. Até mesmo entre o empresariado entrevistado, onde há o menor apoio, 68% se disseram favoráveis.

E provavelmente manterá intocado o consenso tabu da nossa seguridade social: de que só tem direito quem trabalha no mercado de trabalho formal. No caso julgado pelo STF, a outra mãe, que gestou, é uma trabalhadora informal e que não teve direiro a licença em função disto. A consequência disso também é racial, visto que pais e mães não brancos terão menos acesso ao período essencial de licença, por que estão em maiores taxas de informalidade.

Tabela retirada do Sistema SIDRA do IBGE com dados da PNAD Contínua trimestral em 2023. Nela estão os dados da taxa de informalidade no mercado de trabalho segundo a raça Dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (PNAD) contínua de 2023 do IBGE

Novamente, a disputa conservadora será acanhada contra a ideia de uma licença paternidade. Provavelmente, tentarão restringir de forma velada ao máximo possível por meio da austeridade – com o menor tempo e restrito aos trabalhadores formais – e de forma aberta a quem não for família, na visão deles – casais LGBTs. Se mesmo Ministros de um tribunal que foi colocado como progressista, em relação ao último governo de extrema-direita, utilizaram esse argumento de equilíbrio fiscal, o que impede dos conservadores o fazerem?

Assim, VALE MUITO a pena brigarmos coletivamente pela aprovação do Estatuto da Parentalidade (PL 1974/2021), projeto de lei dos deputados Sâmia Bonfim (PSOL) e Glauber Braga (PSOL), que defende que duas pessoas responsáveis pelos cuidados tenham direito a 180 dias de licença remunerada.

Ainda que foque em apenas duas pessoas e em trabalhadores formais, mas é uma proposta excelente e a mais radical de Licença Parental igualitária hoje e que bate nessas amarrações entre patriarcado, racismo, sexualidade e capitalismo. Infelizmente, nos falta organização parental para lutar pelo cuidado. Nessa perspectiva de tudo o que foi dito, a decisão judicial em torno dessas duas mães sobre o direito a licença mais longas não diz respeito apenas às LGBTs, mas interessa e impacta todos aqueles(as) que exercem o trabalho do cuidado ou dele dependem.

 
Leia mais...

from daltux

Solicitação enviada à equipe responsável pela VPN privativa de liberdade de uma universidade pública brasileira, por dificuldade de uso com cliente livre.

Desde ao menos esta manhã, ao tentar abrir conexão à VPN, como de praxe há tantos anos, utilizando vpnc, tanto do DebianSid” (mais recente possível dessa família) quanto do Ubuntu (Pro) 18.04, não há sucesso, tanto pelo usual NetworkManager com suporte a essa VPN instalado pelo pacote network-manager-vpnc-gnome, quanto tentando executar o vpnc diretamente, observando-se o seguinte registro:

vpnc: configuration response rejected:  (ISAKMP_N_ATTRIBUTES_NOT_SUPPORTED)(13)

Seguem informações do programa vpnc no Debian “sid”:

vpnc version 0.5.3+git20220927-1
Copyright (C) 2002-2006 Geoffrey Keating, Maurice Massar, others
vpnc comes with NO WARRANTY, to the extent permitted by law.
You may redistribute copies of vpnc under the terms of the GNU General
Public License.  For more information about these matters, see the files
named COPYING.
Built with certificate support.

Supported DH-Groups: nopfs dh1 dh2 dh5 dh14 dh15 dh16 dh17 dh18
Supported Hash-Methods: md5 sha1
Supported Encryptions: null des 3des aes128 aes192 aes256
Supported Auth-Methods: psk psk+xauth hybrid(rsa)

Já com o plugin OpenConnect do NetworkManager (pacote network-manager-openconnect-gnome), cujo suporte a GlobalProtect está disponível nas versões mais recentes (não na do Ubuntu 18.04), felizmente a conexão é bem-sucedida. No Debian sid, o pacote openconnect está na versão 9.12-1, enquanto no Ubuntu 18.04 disponibiliza-se 7.08-3. Segundo seu changelog, o suporte a PANGP iniciou na versão 8.0.0 do OpenConnect. Detalhes sobre o PANGP no OpenConnect também estão disponíveis.

Assim, o presente chamado é para dar notícia de que algo parece ter mudado na VPN, ontem ou hoje, que lamentavalmente não foi anunciado, tornando-a subitamente incompatível com o vpnc, e, portanto, solicitar que, sendo possível, considerem reabilitar o suporte ao mesmo, tendo em vista que é o cliente mais amplamente disponível e estável, em matéria de software livre, não privativo de liberdade, injusto e duvidoso por definição, questão que o poder público não deve esquecer, sobretudo no setor educacional. OpenConnect é, felizmente, uma opção razoável, embora menos estável, porém está disponível apenas às máquinas mais atualizadas. Por sua vez, vpnc foi utilizado com sucesso desde que a VPN foi disponibilizada pela universidade, até ontem. Caso tenha havido uma alteração dolosa e/ou seja impossível que ele volte a funcionar, protestamos diante da falta de consciência geral sobre o tema, cada vez mais grave, e que não houve anúncio, prévio ou posterior, sem permitir qualquer período de adaptação a esse tipo de alteração, direito normalmente concedido somente a usuários em regime de software privativo de liberdade.

#SoftwareLivre #VPN #InfoSec #ServiçoPúblico #universidade

 
Read more...

from Felipe Siles

Infelizmente, pra maioria das pessoas não dá pra ficar sem

O Whatsapp, do Grupo Meta, se consolidou no Brasil como um verdadeiro oligopólio em termos de aplicativos de mensagens. Quando é derrubado pela Justiça o país pára. Mesmo serviços gornamentais utilizam a plataforma, como por exemplo a ferramenta recente “Canais”. Isso sem falar nos diversos serviços que atendem pelo aplicativo.

Só pra citar dois exemplos na minha vida que foram ilustrativos do quanto o whatsapp é fundamental em coisas básicas. O plano de internet que eu uso na minha casa faz todo o atendimento ao cliente pelo whatsapp. Quer outro exemplo? Fui criar um perfil no aplicativo TOP, de transporte público da região metropolitana de São Paulo. Usei um email seguro e uma senha forte e, por alguma razão (pode ter sido também pela VPN que eu uso no celular) ele bloqueou minha conta, dizendo que não é segura. No fim das contas, sem ter acesso ao aplicativo eu só consigo comprar os QR Codes pra andar de ônibus na região metropolitana de São Paulo pelo whatsapp. Resumo da ópera: sem whatsapp eu não tenho atendimento pra minha internet e nem ando de ônibus...

Existem formas e formas de se relacionar com o aplicativo. Existem aqueles que usam para falar com amigos e família, mas existem aqueles, assim como eu, que acabam usando pra trabalho. Eu diria que uns 90% da minha comunicação de trabalho acontece pelo whatsapp. Isso sem falar nos grupos que eu faço parte, de teatro, do terreiro de culto aos orixás, todo mundo se comunica pelo whatsapp. Isso se agrava ainda mais pelo fato de eu não ter Instagram, já que percebo que as pessoas também utilizam muito a DM dele também para conversar. No meu caso vai tudo para o whatsapp mesmo.

Até utilizo o Telegram e o Element/Matrix, mas para falar com pessoas e grupos muito específicos e que normalmente são da bolha tech/dev/linux/etc. Pra mim está fora de cogitação sair do aplicativo, a não ser que aconteça uma mudança cultural nesse sentido no país. E eu acredito que se tal mudança acontecer, provavelmente vai ser pra pior como, por exemplo, o TikTok substituindo os buscadores 🤮. E, como eu disse antes, muita gente se comunica comigo por ele, pessoas pertencentes a diferentes grupos. E o fato de eu ser um músico freelancer faz também com que a maioria dos contatos de prestação de serviços ocorra por ali.

Problemas

Vou ser sincero, quem conhece meus textos sabe que eu tenho aversão à Meta, não tenho conta pessoal nem no Facebook, nem Threads e muito menos Instagram, tenho pavor desses serviços. Dito isso, acho o Whatsapp um dos aplicativos menos problemáticos da empresa. Ele entrega um mensageiro simples, intuitivo, seguro (pelo menos assim prometem), criptografado de ponta-a-ponta. Um dos grandes problemas do whatsapp aconteceria em qualquer mensageiro privado: é um campo fértil para a extrema direita trocar mensagens e disseminar suas notícias falsas sem a curadoria de um algoritmo ou uma moderação. Só pra reforçar, esse tipo de conteúdo circula também no Telegram e no Matrix, acho difícil ter controle sobre isso, o controle implicaria em quebrar a segurança do aplicativo, então fica dificil dizer o que seria pior.

O problema mais prático pra minha vida é o excesso de mensagens. Eu morro de inveja quando vejo as pessoas no metrô que conversam só com alguns amigos e uns familiares no aplicativo. No meu é mensagem do grupo de teatro, da macumba, gente me procurando pra freela, amigos, familiares, gente me pedindo dinheiro, golpe, gente me pedindo nota fiscal, enfim... tudo junto e misturado no mesmo aplicativo. Inclusive eu adoraria que o whatsapp tivesse o recurso de setorizar os contatos e grupos, e abrisse abas diferentes pra família, trabalho e amigos, por exemplo, seria ótimo! Mas enquanto esse recurso não chega, vou explicando como vou me virando pra usar a ferramenta sem ficar soterrado no fluxo insano de mensagens.

Corro do fluxo de mensagens rápidas e curtas como o diabo foge da cruz

Eu acho que essa é a maior armadilha pra perder tempo no whatsapp: entrar no fluxo de mensagens curtas e rápidas.

oi oi tudo bem? tudo bem e vc?

Eu corro desse tipo de diálogo como o diabo foge da cruz, porque esse é o comportamento que mais faz a gente perder muito tempo no whatsapp. Quando eu percebo que alguém quer conversar comigo nesse fluxo eu simplesmente dou uma ignorada e demoro propositalmente para responder, pra não engatar o fluxo. Outra opção é dar uma resposta gigantesca pra pessoa, que também ajuda a interromper o fluxo, ou ela não vai responder, ou vai responder também com uma resposta gigantesca, que vai exigir mais tempo e reflexão, interrompendo o fluxo curto. E outra opção, quando percebo que um amigo muito próximo quer entrar nesse tipo de fluxo é ligar, tenho preferido falar com a pessoa no telefone do que ficar ali horas no chat.

Whatsapp Web

A minha forma preferida de utilizar o whatsapp é pelo computador. Utilizo um aplicativo chamado Ferdium, que é uma espécie de navegador dedicado apenas a mensageiros. Uso o Ferdium com Whatsapp, Telegram e Matrix. Eu gosto de fazer assim porque no meu caso responder whatsapp é TRABALHO, mesmo quando estou falando com amigos e família. Nem todo trabalho é remunerado, só pra citar um exemplo, limpar a própria casa é trabalho, mas não necessariamente remunerado. Então, como se trata de TRABALHO, eu gosto de fazer no computador, porque já tenho uma relação estabelecida com ele: se eu ligo o notebook é para trabalhar (inclusive eu não o uso para lazer, prefiro videogame, tv box, entre outras coisas para o entretenimento). Eu gosto dessa separação porque uma das armadilhas da vida moderna é justamente diluir essa fronteira entre o trabalho e as outras áreas da vida, e assumir essa tarefa como trabalho ajuda nessa clareza e separação, inclusive de melhores aparelhos.

No mundo ideal, eu gostaria de reservar apenas 1 hora do meu dia, sentar na frente do computador, abrir o Ferdium e responder todas as mensagens, e só voltar a ver mensagens no dia seguinte. Na prática, existem situações onde preciso ficar esperto com a chegada de uma mensagem, então acabo deixando o Ferdium ligado (com notificações) enquanto faço outras tarefas. Odeio, porque costuma tirar a concentração do que estou fazendo (principalmente a galera do fluxo rápido e curto), mas existem situações que não me dão muita opção. Inclusive a maioria das pessoas, pelo menos no Brasil, ficam com o nariz enfiado no celular o dia inteiro e subentendem que todas as outras fazem o mesmo. Ou então deixam habilitadas as infernais notificações (com som ainda pra ficar mais pavloviano) e acham que todos fazem da mesma forma. Só pra citar exemplos: eu tenho amigos que quando vão na minha casa nem chamam mais, nem tocam a campainha, avisam que chegaram pelo whatsapp, aí infelizmente eu preciso ficar meio de olho, senão nem fico sabendo que a pessoa está na frente da minha própria casa. Mas dito isso, tenho tentado separar essas situações específicas (que infelizmente estão se tornando cada vez mais frequentes) e me focado a manter o hábito de 1 hora de mensageiros por dia, e só.

Meu whatsapp oculto no celular

Eu ocultei o ícone do whatsapp no celular, porque percebi que ficava tentado a olhar várias vezes, e isso me deixava ansioso, principalmente se estava esperando a resposta de alguém. Dificultar um pouco o acesso me fez acessar o aplicativo só quando realmente preciso enviar alguma mensagem importante. Ah, e obviamente o meu whatsapp está com as notificações desabilitadas no celular, assim como a maioria dos aplicativos com poucas exceções.

Outras configurações

Eu gosto de desabilitar o download automático de mídia, porque isso faz com que a sua memória vá embora muito rápido. Eu evito ao máximo abrir as mídias no celular, justamente pra não ficar ocupando memória do aparelho (ou tendo que apagar depois pra livrar a memória). Prefiro ver todas as mídias no computador, sempre que possível.

Também deixo habilitada a opção de auto-apagar mensagens depois de um tempo, já que antes de existir essa configuração eu já fazia essa limpeza manualmente de tempos em tempos. Não gosto de usar whatsapp como nuvem ou como backup, eu não acho que ele seja muito confiável pra isso. Prefiro usar aplicativos de anotações pra guardar informações importantes, e deixar o whatsapp, telegram e cia só pra comunicação mesmo. Então essa história de grupo comigo mesmo, que um monte de gente usa, acho um convite pra você perder as suas coisas, zero confiável. Fora que quando você quiser acessar essas informações vai ter que abrir o mesmo aplicativo que vai ter um monte de mensagens pra te distrair. Enfim, sei que muita gente faz isso, mas não recomendo essa prática, de forma alguma.

Outra configuração marota que eu faço, e não sei mais viver sem é usar o Whatsapp como se fosse um email, arquivando as mensagens já lidas. Aprendi essa técnica no site do Manual do Usuário e achei uma abordagem muito boa, que deixa a caixa de entrada limpa. Como eu sou praticamente uma Marie Kondo digital, minha alma agradece, depois de passar 1 hora respondendo as pessoas de ver a caixa de entrada simplesmente VAZIA, com todas as mensagens lidas arquivadas. Qualidade de vida!!!

Por último, eu não suporto os stories do Whatsapp, se eu quisesse esse recurso estaria no Instagram. Então eu silencio manualmente, um a um, de cada contato. Um pouco trabalhoso, mas vale a pena. No Telegram, eu uso o Forkgram para desabilitar os stories, já que o aplicativo não possui essa opção nativamente.

Minha ética particular no mensageiro

Eu participo de grupos profissionais, ou relativos ao meu doutorado e coletivos que eu integro. Evito ao máximo grupos de piadas, de lazer, do bairro, da família, não estou em nada disso. Mesmo grupos de trabalho, estudo e coletivos, eu faço uma limpa de tempos em tempos nos grupos inativos.

Outra coisa, eu considero 24 horas um bom prazo para alguém responder uma mensagem. Então não cobro de ninguém, nem de mim mesmo, uma resposta antes desse prazo. Eu acho que esse prazo até poderia ser maior, mas infelizmente sabemos que o fluxo de mensagens se tornou tão rápido que demorar mais de 24 horas faz com que cheguem tantas mensagens que você corra o risco de protelar ou procrastinar demais a resposta, e é capaz que você acabe nem respondendo. Por isso acho a regra das 24 horas bem razoável, dado o contexto.

Por fim, odeio de verdade quando alguém não me responde. Acho um profundo desrespeito. Não ligo se a pessoa demorar pra responder, mas não responder eu vejo como um comportamento tóxico, independente da intenção. Enfim, uma questão minha, talvez até pra psicanálise. Mas digamos... se eu falasse com alguém na rua “bom dia” e essa pessoa não me respondesse isso seria tratado como falta de educação. Eu não entendo porque nos mensageiros, pela questão assíncrona, essa falta de resposta acabe naturalizada, normalizada, não consigo aceitar isso de maneira nenhuma. Mas, infelizmente, eu percebo que existem as pessoas que esquecem de responder (na maioria das vezes por desleixo, desorganização, desatenção ou simplesmente não dar conta), e pra elas eu evito mandar mensagens que precisam de resposta (até pra evitar meu próprio sofrimento) e tenho preferido ligar direto.

Conclusão

Eu odeio ter que depender do Whatsapp, mas moro num país onde 98% da população usa essa ferramenta. Até entendo que tem gente que consegue ficar sem usar, convence os contatos mais próximos a migrar pro Telegram, Signal, XMPP, Matrix, sei lá...

Eu mesmo já fui a pessoa que ficava convencendo geral a usar o Telegram, mas depois desse episódio aqui eu simplesmente perdi a coragem de cobrar isso de alguém.

Na minha dinâmica de vida, onde me relaciono com muitas, muitas (muitas mesmo) pessoas, levar todo mundo pro Matrix, XMPP, Signal ou pro raio que o parta torna-se praticamente inviável. Ceder faz parte de guerrear. Dentro dessa dinâmica possível, tenho tentado, às vezes com maior ou menor sucesso, fazer um uso mais saudável da plataforma, evitando ao máximo perder o meu tempo de vida precioso nela, minutos valiosos que eu poderia usar cozinhando, brincando com meus cachorros, encontrando amigos pessoalmente, dando uma volta na praça, lendo um bom livro, bom... você entendeu.

 
Leia mais...

from Felipe Siles

Introdução

Ao contrário do que se espera do estereótipo de uma pessoa de esquerda, artista, anarquista, contra-colonialista, tenho muito interesse em métodos de organização e produtividade, sempre foram assuntos que me interessaram bastante. Mas diferente do estereótipo do “farialimer”, meu interesse nesse material não é de produzir mais, mas de ter mais qualidade de vida e otimizar meu trabalho, justamente para ter mais horas de lazer e descanso. Foi nessa que o Bullet Journal acabou entrando no meu radar, e resolvi dar uma chance para testar porque estava muito insatisfeito com a forma como eu gerenciava as minhas tarefas. Já tinha testado diversos aplicativos para celular (entre eles o divertido Habitica), post-its, lousa, grupo comigo mesmo no Telegram, mas enfim... nada que trouxesse um resultado satisfatório.

O Bullet Journal

Pra quem não está familiarizado, Bullet Journal é uma metodologia de registros em caderno físico, criada por Ryder Carrol e desenvolvido e aperfeiçoado pela comunidade entusiasta no assunto. Chama a atenção a versatilidade e possibilidades de customização do modelo, diferente das velhas agendas, onde não podemos editar suas seções, pelo menos não se for uma agenda física; além da simplicidade na necessidade material, um caderno simples e um lápis já são suficientes para começar.

Comprei o livro do Ryder Carrol, O método Bullet Journal, e aprendi a metodologia. Confesso que não gostei muito do livro, achei que tem um tom de auto-ajuda que me irritou em alguns momentos, e tem muita “encheção de linguiça” (escrevi uma pequena resenha na Velha Estante sobre), é o famoso livro que poderia ser um post de um blog. Resumidamente, o primeiro capítulo do livro já é suficiente para aprender o método.

Se você quer apenas aprender o método e começar, acho desnecessário adquirir o livro, penso que um tutorial, como o que encontrei no WikiHow é suficiente. Agora, se você quer compreender melhor o contexto que o autor criou o método (que é interessante), e está com paciência ou gosta de livros auto-ajuda, manda ver, leia o livro.

Meu caderno

Comprei um caderno pequeno, no estilo Molesquine, mas de uma marca com preço mais acessível (Cícero), com capa de papel craft. Comprei o caderno pontilhado, que é o recomendado para bullet journal, embora não seja obrigatório. Nunca curti cadernos pautados (a não ser que a pauta seja musical), já comprava cadernos sem pauta antes, e encarei o desafio de escrever no pontilhado, no começo tive um pouco de dificuldade, mas me adaptei rápido. E o caderno pontilhado realmente ajuda bastante a desenhar quadros, tabelas, gráficos, bem legal, eu recomendo!

Comprei um caderno de 96 folhas e já estou percebendo que não vai durar o ano inteiro, no meio do processo com certeza precisarei comprar outro, ou outros, mas tudo bem, faz parte. Acredito que esse caderno vai ser suficiente para o primeiro semestre. Gosto de fazer as anotações com lapiseira (lápis eu gosto mais de usar para desenho, não escrita), não gosto muito de caderno cheio de rasuras, prefiro usar a borracha.

Rotina

Uma coisa que me impressionou é como a rotina do Bullet Journal foi incorporada na minha rotina com rapidez e naturalidade. Talvez isso tenha acontecido porque eu sempre fui de fazer muitas anotações. Mas anotava algumas coisas num post-it, outras num caderninho, outras num aplicativo, e, quando precisava, nunca encontrava onde estava alguma anotação específica.

Esse, por enquanto, tem sido o maior benefício do bullet journal pra mim: concentrar todas as anotações em um lugar só. Eu anoto tudo nele: tarefas, registros, hábitos alimentares, nomes de pessoas que não quero esquecer, pautas de reunião, anotações de palestras e cursos, etc. A única coisa que anoto num caderno à parte são as transações financeiras, tenho um livro caixa exclusivo para isso.

Uma coisa que me fez perceber como o hábito de fazer registros no bullet journal se estabeleceu de maneira muito forte na minha rotina foi numa viagem curta de trabalho que esqueci de levá-lo. Em vários momentos eu sentia vontade de fazer registros no caderno, mas ele não estava lá. Acabei fazendo quando cheguei de viagem e, desde então, levo ele pra todo lado, mesmo em viagens mais curtas.

Minhas adaptações e customizações

Eu segui à risca as orientações do livro de quantas páginas devo deixar para índice, registro futuro, etc. Mas, passados dois meses, tenho a impressão de que não vou fazer assim tantos registros futuros e marcar tantas coisas assim no índice. O registro futuro e registro mensal pra mim não funcionaram tão bem, porque eu já possuo o hábito bem estabelecido de utilizar aplicativo de agenda. Acredito que se um dia eu abandonar o aplicativo pode ser que eu acabe usando mais esses registros, mas no momento eu não vejo muito porque desfazer um hábito que já está estabelecido e funciona. Estou pensando de, talvez, num próximo caderno deixar apenas uma página para índice, uma página para coleções, duas páginas para registro anual e duas páginas para registro futuro, acredito que para o meu uso é o suficiente.

Até o momento criei três coleções: rotina, hábitos alimentares e calendário Osé Ifá (da minha religião, o culto tradicional aos orixás). Como a minha doutrina religiosa segue um calendário da cultura iorubá, onde a semana possui apenas quatro dias, eu tenho feito no registro diário: a data numérica, o dia da semana e o dia da semana do calendário iorubá. Tem sido muito útil para fazer meus rituais nos dias certos.

Sobre as legendas, eu tenho utilizado basicamente quatro categorias de registros. Utilizo o tópico para registros comuns, as caixinhas para tarefas, horário para registros cronológicos e quadros para coisas mais específicas, como por exemplo: pauta de uma reunião, anotações que fiz em uma palestra, etc.

O meu problema original: gerenciamento de tarefas

Registro todas as tarefas no dia em que a demanda aparece, com uma caixinha. Quando cumpro a tarefa, risco o texto (assim) e dou uma ticada na caixinha ☑️. Quando a tarefa é adiada, risco o texto e coloco na frente dele uma seta ➡️ indicando que farei aquilo mais pra frente. E quando a tarefa é cancelada marco com a caixinha com um ❎, e também risco o texto. Riscar o texto é bem importante pra mim, dá uma boa sensação de que aquela questão foi resolvida ou pelo menos encaminhada. E além dessa marcação na tarefa originalmente escrita, também coloco no dia do cumprimento da tarefa um registro de que ela foi cumprida.

Toda vez que tenho tempo livre para resolução de tarefas vou foleando meu caderno em busca de caixinhas vazias. Quando algumas tarefas já começam a ficar muito para trás no caderno, ou quando elas estão muito espalhadas, gosto de reorganizar a lista e concentrar todas numa página só. Até agora, em dois meses de uso, só precisei utilizar esse recurso uma única vez.

Além disso, criei uma ordem de prioridades de 1 a 4 para as tarefas, de acordo com a sua natureza. Tarefas relativas ao doutorado são prioridade 1, relativas aos meus freelas são prioridade 2, relativas aos coletivos que faço parte são prioridade 3 e todas as outras são prioridade 4. Coloco sempre (que lembro) o número da prioridade na frente da descrição da tarefa. Quando a tarefa tem prazo, coloco a data também.

Conclusão

De tudo que já testei em termos de gerenciamento de tarefas, o bullet journal foi o método que mais me agradou e tem funcionado bem. Quando utilizava aplicativos eu percebia que conforme as tarefas acumulavam eu ia deixando de abrir o aplicativo, grupo de Telegram, idem. Também tive alguns problemas com os aplicativos na questão de colocar data nas tarefas, muitos deles apresentavam alguns bugs, principalmente quando você trabalha no formato CalDav. A lousa e o post-it tinham o problema de não visualizar as tarefas já cumpridas, e também o fato de que também é possível ignorá-los, transformá-los em paisagem.

Já o caderno, como tem a questão dos registros diários, meio que não tem como ignorar, se você estabelecer bem o hábito, você vai lidar com ele todos os dias, e as tarefas estarão ali. Nesse sentido, acho bem importante as tarefas serem misturadas com o diário, se houvesse uma sessão só com tarefas eu provavelmente a evitaria, como evitava abrir os aplicativos.

Além disso, como já foi dito anteriormente, o bullet journal me ajudou a concentrar todas (ou quase todas) as anotações em um lugar apenas. Inclusive, o caderno aliado ao aplicativo de agenda funciona muito bem. Por exemplo, eu quero achar as anotações que fiz em uma reunião: vou até o calendário, olho a data da reunião, vou até essa data no caderno e vejo todos os registros do dia, excelente!

A única parte que ainda não me adaptei é a questão de registros futuros e de registrar os compromissos no caderno, já que o hábito de utilizar aplicativo de calendário já está estabelecido. Mas eu percebi uma leve mudança já, agora estou anotando no aplicativo de agenda apenas compromissos esporádicos, já não estou mais anotando os compromissos rotineiros, esses tenho preferido registar no caderno. Quem sabe um dia eu acabe abandonando o aplicativo de calendário, veremos...

 
Leia mais...

from Resenha Cibernética

Bits, Dits, Sits

Bits: entropia informacional (incerteza) de Shannon medida quantitativamente por códigos sintáticos.

Dits: informação semântica (distintiva). Medida por signos em grandezas quantitativa e qualitativa. Constituídas por linguagens.

Sits: informação situacional ou referencial. Medida de sentido em grandezas apenas qualitativas (virtuais). Composta por sistemas de sentido (sociais).

 
Leia mais...

from Resenha Cibernética

IA e a explosão de conteúdo

Na era das mídias de difusão, havia poucos produtores de conteúdo e muitos receptores.

Com as redes sociais, todo receptor se tornou também um emissor. Houve então uma explosão na produção de conteúdo. Mas não houve um aumento na recepção. Ela continuou de tamanho comparativamente semelhante.

O resultado foi um aumento na oferta de conteúdo sem o mesmo aumento de demanda (atenção). Isso causou uma redução no valor da produção de conteúdo.

Aí entraram os algoritmos. Estes provocam uma redução na oferta, selecionando o “conteúdo relevante” para a recepção. A razão disso foi para elevar o preço do conteúdo. Usuários passaram a pagar para “turbinar” seu conteúdo.

Ao mesmo tempo, entrou conteúdo “redundante”, isto é, conteúdo de marketing. É esse conteúdo que efetivamente interessava às redes sociais.

Basicamente com as IA generativas aumenta ainda mais a oferta de conteúdo. Mas a demanda de recepção permanece basicamente inalterada.

Isso indica uma tendência à “superprodução” de conteúdo e a redução de seu valor global. Segundo a teoria do valor trabalho, o preço do conteúdo informativo tende a zero.

Veremos então um acirramento do uso de algoritmos para reduzir o alcance do conteúdo. Algoritmos servirão como uma represa para impedir o escoamento do conteúdo.

Veremos até que ponto o “transbordo” da geração de conteúdo irá efetivamente mudar as condições de produção do “intelecto coletivo”.

 
Leia mais...

from Resenha Cibernética

O problema do liberalismo

Se alguém se considera “liberal”, tudo bem. O único problema é que cedo ou tarde irá cair em inconsistências e aporias.

O liberalismo se baseia no princípio de que o indivíduo vem primeiro do que a sociedade. Ou seja, a sociedade é feita da reunião de indivíduos.

Alguns liberais mais radicais, ditos “neoliberais” chegam mesmo a dizer que a “sociedade não existe, existem indivíduos e famílias”. Mas a contradição já chega aí, ao aceitar que a sociedade é no máximo uma “grande família”. Aliás, curiosamente se pode dizer que nenhuma organização tolhe mais o indivíduo do que justamente a família.

Mas fiquemos com os liberais mais moderados que toleram a existência da sociedade. Para explicar a formação desta a partir dos indivíduos que a precedem eles recorrem à tese contratualista: a sociedade nasce do contrato livre entre indivíduos.

Em geral, esses indivíduos que criam o contrato social são geralmente do sexo masculino. Não se sabe onde estavam as mulheres nesse momento de assinar o contrato social.

Mas vamos deixar mais esta contradição de lado. Há outra pior: com que linguagem os indivíduos se reuniram para redigir o contrato original?

Algum liberal poderia tentar explicar como os indivíduos em sua vida solitária constituiram sua linguagem, provavelmente para falar consigo próprios.

Neste caso, cada indivíduo teria criado uma linguagem própria, diferente dos demais. Como eles conseguiram se entender já deve ter sido um grande problema.

Na verdade, não pode existir nada mais “social” do que a linguagem. Alguém que fala, o faz para um interlocutor. O paradoxo está que o contrato social original precisou ser construído antes do surgimento da linguagem e ao mesmo tempo depender dessa mesma linguagem.

Nenhum liberal consegue realmente fugir desse paradoxo que o leva para uma aporia: como foi possível aceitar um contrato antes do surgimento de uma linguagem? Talvez por isso os neoliberais defendam que não existe sociedade. Mas isso não resolve realmente o problema.

Inconsistências como essa são graves porque sempre seguem adiante. O liberal pode até tentar desvencilhar-se delas, mas elas se agarram no raciocínio porque elas já estavam lá desde o início.

Inconsistências não conseguem sustentar o raciocínio lógico. Este serve justamente para evitar aquelas.

O que neste caso resulta a dizer que a sociedade precede o indivíduo. Sociedades não são feitas de indivíduos, indivíduos é que são feitos de sociedade. E a marca desta no indivíduo se chama precisamente linguagem.

 
Leia mais...

from Resenha Cibernética

Eros x Tânatos

Em o Mal-estar da Civilização, Freud tenta “sociologizar” a psicanálise. Ele expande a teoria das pulsões para a sociedade com dois princípios opostos: Eros e Tânatos. Eros é o construtor dos laços sociais e Tânatos o destruidor dos laços.

Como sabido, por causa do clima dos anos 30 do século passado na Europa, o clássico freudiano é um exemplo de pessimismo cultural: apesar dos esforços de Eros, no final das contas Tânatos vencerá.

Isso corresponde socialmente a prevalência da pulsão de morte sobre a pulsão de vida. Mas esse dualismo pulsional já havia sido rejeitado por Freud. Tanto Eros como Tânatos são exorbitâncias sociais da pulsão de morte.

A pulsão de morte é estritamente “psíquica”. Quando vamos para a sociedade não há continuidade, mas uma bifurcação pulsional.

Eros é pulsão “vinculada” enquanto Tânatos é pulsão “solta”. Mas ambos os princípios sociais são derivados da mesma pulsão.

Do ponto de vista evolutivo, é um erro dizer que Tânatos (ou a morte) tem a última palavra. A morte de um único ente está a serviço da preservação da espécie como um todo. Tânatos serve a Eros e não o oposto.

Na perspectiva evolutiva, são mais importantes as “cópulas” tanto intra como interespécies, pois são as cópulas que geram diversividade genética.

A evolução é tecida por Eros. Tânatos, no entanto, tem função regenerativa, que está a serviço da criação do tecido.

Assim, a extrema-direita ao mobilizar Tânatos como princípio parece “vencer o jogo”, mas ao final das contas quem vencerá são aquelas forças que acreditarem nos impulsos libidinais.

 
Leia mais...